Novas tecnologias aplicadas a Construção Civil - 2ª Palestra - MDC-MGMDC-MG

Novas tecnologias aplicadas a Construção Civil – 2ª Palestra

16/08/2017

O ciclo de palestras promovido pelo MDC-MG em parceria com a Senacon e o FNECDC recebeu na quarta-feira, 16 de agosto, a arquiteta Risia Botrel. A palestra teve como tema as “Novas tecnologias aplicadas à Construção Civil” e foi apresentada aos profissionais cadastrados no programa Geração Trabalho e Renda do MDC-MG, cujo objetivo é qualificar mais os rofissionais cadastrados na entidade.

A arquiteta apresentou aparelhos, ferramentas e novos materiais que agilizam todo o processo de construção, além de otimizar resultados e diminuir as despesas. Os DRONES (VANTs), tipo de veículo aéreo não tripulado e controlado remotamente, são utilizados na construção civil para fazer mapeamento 3D, levantamentos topográficos, monitorar canteiros de obra e comunicação com cliente. Eles são mais seguros e baratos que os métodos convencionais e convertem as imagens em relatórios gerenciais e ou informações técnicas, auxiliando os profissionais envolvidos no projeto.

Já o contrapiso autonivelante, também chamado de autoadensável ou autoescoante, é um sistema composto por uma argamassa à base de cimento de alto desempenho, autoadensável, autonivelante, bombeável monocomponente e bastante fluida, de fácil aplicação.

Risia falou também sobre o concreto translúcido, que utiliza fibras ópticas misturadas com concreto autoadensável, e do vidro líquido (dióxido de silício). Os revestimentos são criados por nanoparticulas e nanocomponentes que se conectam firmemente a superfície e com outros componentes para obter o efeito desejado em 3 fases.

  • 1. Essas partículas se organizam durante a aplicação de forma inteligente;
  • 2. Os componentes de ligação migram para a superfície, os componentes anti-adesivos são redirecionados para fora;
  • 3. Essa auto-organização torna-se uma camada ultra-fina de vidro (Sio2), que forma com a superfície uma conexão homogênea e, portanto, garante extrema durabilidade.

Para finalizar, Risia falou sobre equipamentos mais simples que facilitam o trabalho de quem atua na construção civil e pequenas obras, como a Perna mecânica: O equipamento nada mais é que prolongamento das pernas, permitindo acesso rápido e seguro a maiores alturas. O trabalhador passa por um período de treinamento até conseguir equilibrar-se com segurança e a partir daí os ganhos são incríveis, já que o trabalho pode ser feito muito mais rápido, dispensando escada ou andaimes.

A Máquina de chapisco e reboco: utilizando ar comprimido, esse equipamento é capaz de chapiscar até 30 m2 por hora. Além de garantir ganho de tempo, evita o trabalho manual que, nesta atividade, costuma representar risco ergonômico. Custa cerca de R$240,00.

E o equipamento para pintura: o sistemas de pintura é feito por ar comprimido. Além de representar ganhos importantes na produtividade e ergonomia, também evita a dispersão de tinta no ar, o que reduz sensivelmente os riscos à saúde do trabalhador.